top of page

ARTUR FREITAS

TEORIA DAS ARTES VISUAIS

Disciplina Optativa (Eletiva)

PPGAV & PPGARTES | UNESPAR

EMENTA E CONTEÚDO

Descritivo básico

textos
teoria da arte

EMENTA

Apresentação e análise dos fundamentos epistemológicos das artes visuais, com ênfase na expansão teórico-histórica do conceito de “obra de arte” no contexto da arte moderna e contemporânea.

CONTEÚDO

Conceitos de arte. Exame da relação entre a experiência estética e as disciplinas fundadoras da arte: crítica de arte, teoria da arte e historiografia da arte. Mapeamento das principais correntes historiográficas das artes visuais. Discussão sobre o processo de autonomização da arte: formação do campo da arte e autonomia da linguagem. A homologia arte-vida: montagem, crítica institucional e performance radical. Análise dos regimes de imanência: autografia e alografia nas artes visuais.

PROGRAMA DA DISCIPLINA

Clique nos textos para baixar

AULA 1 | APRESENTAÇÃO

>> APRESENTAÇÃO DO Programa da disciplina.

AULA 2 | CONCEITOS DE ARTE

>> O QUE é arte? Modos de conceituar arte. Teorias imitativas, expressivas, estéticas e convencionalistas. Conceito histórico de arte: techné, ars, artes liberais, belas artes.

____________________________

LEITURA OBRIGATÓRIA

  • ADAJIAN, Thomas. The definition of art. In: ZALTA, Edward (ed.). The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Stanford: Stanford University, Fall 2018.

LEITURAS COMPLEMENTARES

  • DAMISCH, Hubert. Artes. In: Enciclopédia Einaudi, vol. 3. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1984, pp. 11-63.

  • DANTO, Arthur. Kant and work of art. In: What art is. New Haven: Yale University Press, 2013, pp. 116-134.

  • GELL, Alfred. A rede de Vogel: armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilhas. Arte & Ensaios, UFRJ, Rio de Janeiro, 2001, pp. 174-191.

  • HEINICH, Nathalie; SHAPIRO, Roberta. Quando há artificação? Revista Sociedade e Estado, UnB, Brasília, vol. 28, nº 1, jan-abr. 2013 [2012], pp. 14-28.

  • MUKAROVSKY, Jan. Escritos sobre estética e semiótica da arte. Lisboa: Estampa, 1988 [1975]. Capítulos 2 e 3, pp. 19-112.

  • PAZ, Octavio. O uso e a contemplação. Revista Raiz, nº 3, out. 2006 [1988], pp. 82-89.

  • SHINER, Larry. Polite arts for the polite classes. In: The invention of art: a cultural history. Chicago: University of Chicago Press, 2001, pp. 75-98.

AULA 3 | DIMENSÕES DE ANÁLISE DA IMAGEM

>> AS TRÊS DIMENSÕES de análise da imagem e suas correlações com a historiografia da arte: história formalista, social e cultural da arte.

 

____________________________

LEITURA OBRIGATÓRIA

  • FREITAS, Artur. História e imagem artística: por uma abordagem tríplice. Estudos Históricos, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, nº 34, 2004, pp. 03-21.

 

LEITURAS COMPLEMENTARES

  • ARGAN, Giulio Carlo. A crítica de arte e a história da arte. In: Arte e crítica de arte. 2ª ed. Lisboa: Estampa, 1995 [1988], pp. 141-158.

  • ARGAN, Giulio Carlo; FAGIOLO, Maurizio. Guia de história da arte. Lisboa: Ed. Estampa, 1992 [1977], pp. 34-42.

  • DIDI-HUBERMAN, Georges. A arte morre, a arte renasce: a história recomeça (de Vasari a Winckelmann). In: A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013 [2002].

  • GINZBURG, Carlo. De A. Warburg a E. H. Gombrich: notas sobre um problema de método. In: Mitos, emblemas, sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989 [1986], pp. 41-93.

  • PANOFSKY, Erwin. Iconografia e iconologia. In: O significado nas artes visuais. São Paulo: Perspectiva, 2001 [1955], pp. 47-87.

AULA 4 | AUTONOMIA DA ARTE

>> AUTONOMIA SOCIAL da arte. Formação do campo da arte: instituições e agentes. Autonomização da linguagem: autonomia narrativa e formal.

 

____________________________

LEITURA OBRIGATÓRIA

  • BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989. Caps. 9 e 10, pp. 255-298.

 

LEITURAS COMPLEMENTARES

  • BUENO, Maria Lúcia. Do moderno ao contemporâneo: uma perspectiva sociológica da modernidade nas artes plásticas. Revista de Ciências Sociais, UFC, Fortaleza, v. 41, nº 01, 2010, pp. 27-47.

  • FABRIS, Annateresa. Arte moderna: algumas considerações. In: FABRIS, Annateresa; ZIMMERMANN, Silvana. Arte Moderna. São Paulo: Experimento, 2001, pp. 15-32.

  • FREITAS, Artur. Arte moderna: notas sobre a autonomia. In: FREITAS, Artur; KAMINSKI, Rosane. (Org.). História e arte: encontros disciplinares. São Paulo: Intermeios, 2013, pp. 177-200.

  • FREITAS, Artur. A autonomia social da arte no caso brasileiro: os limites históricos de um conceito. ArtCultura, v. 7, nº 11, UFU, Uberlândia, jul-dez. 2005, pp. 197-211.

AULA 5 | VIRADA CONTEXTUAL

>> AUTONOMIA COMO problema: montagem, ready-made e apropriação. A questão da indiscernibilidade. Cubo branco e crítica institucional.

 

____________________________

LEITURA OBRIGATÓRIA

  • BÜRGER, Peter. A obra de arte vanguardista. In: Teoria da vanguarda. Lisboa: Vega, 1993 [1974], pp. 101-141.

LEITURAS COMPLEMENTARES

AULA 6 | PERFORMANCE RADICAL

>> A HOMOLOGIA arte-vida: o corpo como obra. Performatividade pollockiana. A crise do sujeito moderno: performance feminista e arte disturbacional.

 

____________________________

LEITURA OBRIGATÓRIA

  • AGAMBEN, Giorgio. Arqueologia da obra de arte. Princípios – Revista de Filosofia, Natal, v. 20, n. 34, jul-dez. 2013 [ago. 2012], pp. 359-361.

 

LEITURAS COMPLEMENTARES

  • DANTO, Arthur. Arte e disturbação [1985]. In: O descredenciamento filosófico da arte. Belo Horizonte: Autêntica, 2014, pp. 155-170.

  • FREITAS, Artur. Performance radical e literalidade: a homologia arte-vida. Arte Teoria, Universidade de Lisboa, n. 21, 2018.

  • HALL, Stuart. Nascimento e morte do sujeito moderno. In: A identidade cultural na pós-modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011 [1992], pp. 23-46.

  • JONES, Amelia. Body art: performing the subject. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1998.

  • KAPROW, Allan. The legacy of Jackson Pollock [1958]. In: KELLEY, Jeff (ed.). Essays on the blurring of art and life: Allan Kaprow. Berkeley: University of California Press, 2003, pp. 01-09.

AULA 7 | REGIMES DE IMANÊNCIA: AUTOGRAFIA E ALOGRAFIA

>> TEORIA DOS regimes de imanência: autografia e alografia. Sistemas de notação e transmídia: obras alográficas como projeto, texto e instrução.

 

____________________________

LEITURA OBRIGATÓRIA

  • GENETTE, Gérard. A obra de arte: imanência e transcendência. São Paulo: Littera Mundi, 2001. [1994], pp. xviii-xxxv.

 

LEITURAS COMPLEMENTARES

  • FREITAS, Artur. Modos de fazer (arte): o projetista, o montador, o propositor. PÓS: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da EBA-UFMG, Belo Horizonte, vol. 14, n. 30, jan-abr. 2024, pp. 207-232.

  • FREITAS, Artur. Reperformance: a presença em questão. Urdimento, UDESC, Florianópolis, n. 43, 2022., pp. 1-28.

  • GOODMAN, Nelson. Linguagens da arte: uma abordagem a uma teoria dos símbolos. Lisboa: Gradiva, 2006 [1968]. Capítulos 4 e 5, pp. 149-237.

  • OSBORNE, Peter. Transcategoriality: postconceptual art. In: Anywhere or not at all: philosophy of contemporary art. London; New York: Verso, 2013, pp. 99-116.

  • WOLLHEIM, Richard. A arte e seus objetos. São Paulo: Martins Fontes, 1994 [1980], pp. 68-82.

AULA 8 EM DIANTE | SEMINÁRIOS TEMÁTICOS

>> APRESENTAÇÃO E DEBATE de texto escolhido (duas apresentações/debates por aula). Os procedimentos dos Seminários e os textos da bibliografia temática são apresentados abaixo.

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS

Diretrizes gerais

>> CADA SEMINÁRIO Temático é exposto por um grupo de 2 ou 3 Apresentadores e discutido por alguns Debatedores previamente selecionados. A cada aula haverá dois Seminários Temáticos. Os Apresentadores devem escolher um texto da bibliografia abaixo. O tempo da apresentação será decidido em sala e dependerá do número total de Seminários. Ao final da apresentação, os Debatedores devem discutir o texto apresentado.

BIBLIOGRAFIA PARA SEMINÁRIOS

Clique nos textos para baixar

ARTE E ESPACIALIDADE

  • BISHOP, Claire. Reconstruction era: the anachronic time(s) of installation art. In: CELANT, Germano (Ed.). Revisiting When Attitudes Become Form: Bern 1969/Venice 2013. Milan: Fondazione Prada, 2013, pp. 429-436.

  • KWON, Miwon. Um lugar após o outro: anotações sobre site-specificity [1997]. Arte & Ensaios, UFRJ, Rio de Janeiro, n. 17, 2008, pp. 166-187.

  • MAMMÍ, Lorenzo. À margem. Ars, nº 03, USP, São Paulo, 2004, pp. 80-101.

ARTE E TEMPORALIDADE

  • AUMONT, Jacques. Formas do tempo, ou as intermitências do olho. In: O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac & Naify, 2004 [1989], pp. 79-108.

  • DUBOIS, Philippe. Um “efeito cinema” na arte contemporânea [2006]. In: COSTA, Luiz Cláudio da (org.). Dispositivos de registro na arte contemporânea. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, pp. 179-216.

  • MACHADO, Arlindo. O vídeo e sua linguagem. Revista USP, São Paulo, nº 16, 1993, pp. 7-17.

CORPO E PERFORMANCE

  • MATESCO, Viviane. Corpo, ação e imagem: consolidação da performance como questão. Poiésis, UFF, Niterói-RJ, nº 20, dez. 2012, pp. 105-118.

  • MELIM, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

  • STILES, Kristine. Performance. In: NELSON, Robert; SHIFF, Richard (eds.). Critical terms for art history. 2nd ed. Chicago; London: University Chicago Press, 2003, pp. 75-97.

ARTE, GÊNERO E FEMINISMO

CRÍTICA DE ARTE

  • DANTO, Arthur. Da estética à crítica de arte. In: Após o fim da arte: arte contemporânea e os limites da história. São Paulo: Edusp; Odysseus, 2006 [1997], pp. 89-109.

  • CAUQUELIN, Anne. Uma teorização prática: a crítica de arte. In: Teorias da arte. São Paulo: Martins, 2005 [1998], pp. 129-153.

  • DAMISCH, Hubert. O autodidata [1993]. In: FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecília.  Clement Greenberg e o debate crítico. Rio de Janeiro: Funarte / Zahar, 1997, pp. 251-269

COLABORAÇÃO E ESTÉTICA RELACIONAL: A VIRADA SOCIAL

O FIM DA ARTE

PERIODIZAÇÃO E HISTORICIDADE DA ARTE CONTEMPORÂNEA

POLÍTICAS DA ARTE

RESUMO EXPANDIDO

Trabalho final

>> O TRABALHO FINAL (Resumo Expandido) deve se ater à área de Artes, preferencialmente ao tema de pesquisa do aluno, e incluir na argumentação ao menos 1 (um) texto do programa da disciplina de Teoria das Artes Visuais. Normalização: O texto deve ter entre 8 mil e 13 mil caracteres com espaços e precisa estar dentro das normas da ABNT (Manual de Normalização da UFPR). A data de entrega será definida em sala.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

A avaliação dos estudantes será feita em 4 eixos

1. AVALIAÇÃO CONTÍNUA

Participação do discente nas discussões sobre os textos obrigatórios.

 

2. APRESENTAÇÃO DE SEMINÁRIO TEMÁTICO

Durante os Seminários Temáticos, os Apresentadores deverão apresentar um dos textos escolhidos. Serão considerados (não necessariamente nesta ordem): apresentação do autor do texto, seu contexto e suas referências teóricas, síntese do argumento do texto, análise crítica das ideias e adequação ao tempo de apresentação.

 

3. DEBATE DE SEMINÁRIO TEMÁTICO

Durante os Seminários, os Debatedores deverão discutir criticamente o texto apresentado.

 

4. RESUMO EXPANDIDO (TRABALHO FINAL)

Uso (com citações, interpretação e análise crítica) de ao menos 1 (um) texto do programa da disciplina, atenção à área de Artes, clareza de objetivos, tema recortado e não-panorâmico, manutenção de um eixo de análise, argumentação coerente e adequação às normas da ABNT.

NOTA FINAL

>> A NOTA FINAL da disciplina corresponderá à soma dos seguintes pesos:

PARTICIPAÇÃO

Participação geral nas discussões da disciplina

1,0

SEMINÁRIO

Apresentação em grupo de Seminário

4,0

DEBATE

Discussão crítica do texto apresentado

1,0

RESUMO EXPANDIDO

Texto redigido e entregue ao final da disciplina

4,0

bottom of page